post-title Refluxo pode ter sua origem na ansiedade

Refluxo pode ter sua origem na ansiedade

Refluxo pode ter sua origem na ansiedade
Saber, Saúde

Pesquisa da Organização Mundial da Saúde aponta que 9,3% dos brasileiros sofrem de transtorno de ansiedade, o que coloca o país entre os que registram os maiores números de casos. E a ansiedade não causa apenas dificuldade de concentração e alterações no sono. Este é um mal que está por trás do surgimento do refluxo gasoesofágico, doença crônica do aparelho digestivo que faz com que o ácido do estômago ou da bile retorne pelo esôfago, irritando a mucosa do tubo alimentar e provocando o aumento de problemas digestivos. Os pacientes que têm hérnia de hiato apresentam ainda mais probabilidades de desenvolver a doença.

O cirurgião João Couto Neto lembra que a associação do refluxo à ansiedade ainda é pouco conhecida da população em geral, e lembra que “temos que ter em mente que a ansiedade se torna uma doença quando começa a repercutir também sobre a saúde física do paciente, produzindo alterações na secreção de suco gástrico.

        O cirurgião chama a atenção para o fato de que “se o paciente tem hérnia de hiato, o mecanismo natural do organismo que impede que o ácido estômago chegue ao esôfago não existe”.

Entre os métodos mais usados para a definição do diagnóstico está a endoscopia, exame que introduz um tubo no com uma câmera no esôfago, examinando as lesões. Outro exame que pode ser realizado é o de pHmetria, que consiste na introdução de um cateter pelo nariz, com sensores que detectam a presença de conteúdo ácido em diferentes pontos do esôfago, além de determinar o número de episódios de refluxo e duração de cada um, possibilitando que seja confirmada a existência da doença. O médico pode ainda solicitar um exame de manometria esofágica, que determina como estão os músculos do esôfago através da inserção de um cateter pelo nariz, com um sensor que mede a pressão dos músculos quando eles se contraem. Outro exame de diagnóstico comum é a seriografia, realizado a partir de uma série de raios-X feitos após o paciente beber uma mistura de bário e água. A solução passa pelo trato, possibilitando melhor visão dos órgãos, expondo possíveis anormalidades.

Como saber se tenho refluxo?

Os sintomas mais característicos do refluxo são azia e queimação. A sensação de “bolo” na garganta, irritação na garganta e no pulmão, rouquidão, dor na garganta, tosse seca, náusea após as refeições, formação de aftas, e dor no peito também podem se tornar recorrentes, e muitas vezes são confundidos com outras doenças.

        O tratamento pode ser medicamentoso, de acordo com o estágio em que se encontra, associado a algumas mudanças de hábitos como:

– Comer pequenas refeições, e evitar alimentos que já se sabe que desencadeiam crises de refluxo, como pimenta, chocolate e bebidas alcoólicas.

– Durante o sono, manter a parte superior do corpo levemente elevada.  

– Não tomar líquidos com as refeições

– Não deitar até 30 minutos após as refeições

– Comer devagar; mastigar bem os alimentos

– Não usar roupas que apertem na cintura e abdômen

– Fazer pequenas refeições – especialmente no jantar

– Comer pelo menos três horas antes de dormir.

Quando a cirurgia é indicada?

        A cirurgia para o refluxo gastroesofágico é indicada quando o tratamento com medicamentos e cuidados alimentares não traz resultados, e/ou começam a surgir complicações. Por isso, ela só é indicada depois de experimentar outros tipos de tratamentos. Outra questão importante é a idade do paciente. Se ele for jovem, indica-se também a correção cirúrgica, caso contrário, será uma longa vida de medicações e cuidados

        A primeira intervenção médica em casos de refluxo gastroesofágico é medicamentosa, associada a mudanças na alimentação. Quando o tratamento não surte os efeitos desejados, e começam a aparecer complicações, é aconselhável procurar um cirurgião para uma avaliação. As complicações mais comuns do refluxo são o surgimento de úlceras ou o desenvolvimento do chamado esôfago de Barret (quando ocorre mudança no tecido que reveste o esôfago, que deixa de ser escamoso para tornar-se epitélio colunar, que é o tecido do estômago e do intestino, o que é conhecido como metaplasia intestinal).

        Nestes casos, a medida aconselhada pelo Dr. João Couto Neto é que o paciente procure um médico que possa avaliar a necessidade da realização de cirurgia.

A cirurgia e a recuperação

        A cirurgia de refluxo é uma das especialidades do Dr. João Couto Neto. Ele explica que ela é feita com anestesia geral, com pequenos microfuros no abdômen. “Hoje com as tecnologias disponíveis, como a videolaparoscopia, a gente consegue fazer uma intervenção minimamente invasiva, o que é muito seguro para o paciente e de recuperação muito rápida”, explica.

        O pós-cirúrgico é muito simples e rápido e o período de recuperação total do paciente relativo a não sentir mais nada pode chegar até dois meses em média. Nas primeiras semanas, o paciente passa a ter uma alimentação mais líquida e aos poucos retoma uma alimentação normal.

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá, precisa de ajuda?