post-title “Dr. Ricardo Reis” Em Arte e Poesia! de Fernando Pessoa

“Dr. Ricardo Reis” Em Arte e Poesia! de Fernando Pessoa

“Dr. Ricardo Reis” Em Arte e Poesia! de Fernando Pessoa
o que gosto, Publicações

Em uma ocasião em que estive em Portugal, conheci a história dos Heterônimos de Fernando Pessoa

Os Heterônimos são diferentes personalidades, normalmente criadas por escritores. Então, uma determinada obra de um autor pode ser atribuída ao nome de uma personalidade específica, escolhida por ele. 

Neste sentido, cada personalidade tem biografia e estilo particular.

Estudos indicam que Fernando Pessoa assinou textos com cerca de 70 nomes diferentes. Há quem considere que todos eles são heterônimos de Pessoa.

Estudiosos da literatura afirmam que apenas três são heterônimos de Fernando Pessoa.

O poeta teria criado apenas a biografia de Alberto Caeiro, Ricardo Reis Álvaro de Campos.

Conheci estas histórias, após ter encontrado a Arte de um “boneco” em papel machê (do francês – papier mâché) e a trouxe comigo.

Em meio a mudança de casa, achei há poucos dias e resolvi levar o “Dr. Ricardo Reis” ao consultório!

Veja a biografia que Fernando Pessoa estabeleceu para este seu Heterônimo:

Ricardo Reis nasceu em 1887 no Porto (Portugal), não sendo conhecida a data da sua morte.

Estudou Medicina e, antes, em colégio de jesuítas. Foi viver no Brasil em 1919, após a instauração da república em Portugal (1910), porque era monarquista.

Características do seu estilo

Tal como Caeiro valoriza a simplicidade, Ricardo Reis gosta do que é simples, mas num sentido de oposição ao que é moderno.

Tradicional, para ele, a modernidade é uma mostra de decadência. Sua linguagem é clássica e seu vocabulário, erudito.

2 Poemas de Ricardo Reis

Segue o teu destino

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.

Para ser grande, sê inteiro

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.

0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá, podemos te ajudar?
Powered by