post-title Apendicite – uma das doenças mais comuns do aparelho digestivo

Apendicite – uma das doenças mais comuns do aparelho digestivo

Apendicite – uma das doenças mais comuns do aparelho digestivo
Saber , ,

Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 10% da população brasileira sofre, em algum momento da vida, de apendicite – inflamação de um pequeno órgão linfático, localizado na parte inferior direita do abdômen.

Sabemos que a principal causa para a obstrução da luz do apêndice é a proliferação dos folículos linfoides, que se localizam na abertura do órgão. Durante a segunda década de vida, entre os 10 e 20 anos, é quando esses folículos são produzidos em maior número e com maior frequência. Isso quer dizer que, o maior índice de casos registrados de apendicite ocorre nesta faixa etária, o que não significa que entre crianças mais novas e pessoas mais idosas a doença não ocorra.

Sintomas

Febre baixa, náusea, vômito, gases e desconfortos podem ser sinais de apendicite. Porém, o sintoma característico da doença é a dor abdominal, começando na porção alta do abdômen, do lado direito, com frequência na boca do estômago.

Devido às fortes dores, o indivíduo apresenta perda de apetite e a evolução do quadro pode provocar paralisia dos movimentos do esôfago, tendo como consequência distensão abdominal.

É importante entender as características da dor e investigar com seu médico, afinal, uma apendicite mal curada pode desenvolver quadros mais graves de inflamação, prejudicando partes do intestino e colocando em risco a vida do paciente.

Tratamento

O tratamento para apendicite é cirúrgico. É possível realizar a retirada do apêndice através da laparoscopia – técnica minimamente invasiva.

Através de pequenas incisões, a cirurgia é realizada por um pequeno orifício, onde é localizado o apêndice, feito então, a retirada do órgão.

A cirurgia feita por vídeo, possui melhores resultados estéticos, uma vez que são pequenas aberturas realizadas, o que causa menos dor no pós-operatório. Além disso, esta técnica pode diminuir o tempo de internação hospitalar, diminuindo também as chances de complicações.

Fonte: Like Magazine – Dezembro, 2017.

 

0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.